Inovação

Espaços compartilhados: entenda o que são e como usar

Neste artigo, entrevistaremos Anna Borba – gestora de desenvolvimento humano e social na Planet Smart City – que nos ajudará a entender melhor o conceito dos espaços compartilhados.

Lá na década de 1970, surgiram as primeiras iniciativas e projeto (chamado Sættedammen) de espaços compartilhados (cohousing). O objetivo era integrar pessoas, buscar maneiras inteligentes de viver e aproveitar os ambientes de uma moradia. Para isso, 35 famílias compartilhavam as áreas de convivência e tarefas domésticas de suas moradias com vizinhos.

Desde essa época, os projetos de espaços compartilhados sofreram algumas mudanças. Hoje, são ambientes que agregam sustentabilidade, empreendedorismo e colaboração. Neste artigo, entrevistaremos Anna Borba – gestora de desenvolvimento humano e social na Planet Smart City – que nos ajudará a entender melhor o conceito dos espaços compartilhados.

Qual o conceito de espaços residenciais compartilhados?

Em poucas palavras, o conceito cohousing representa uma forma de compartilhar os espaços entre vários tipos de pessoas. No entanto, o espaço compartilhado também favorece a integração e a partilha de objetivos comuns, ideais, pensamentos e hábitos colaborativos.

Além disso, esses ambientes ajudam a fomentar o conceito de economia colaborativa. Essa prática reduz o consumo desenfreado e a industrialização tão comuns na atual era da história humana. Por outro lado, estimula um estilo de vida enxuto, funcional e sustentável.

De acordo com Anna Borba, os espaços compartilhados agregam o viver colaborativo, bem como acessibilidade a áreas e serviços muitas vezes difíceis de obter quando se mora sozinho. Como exemplo, Anna destaca alguns desses tipos de serviços:

  • academia;
  • cinema;
  • biblioteca (de livros ou objetos);
  • cozinha;
  • coworking;
  • quadras esportivas: vôlei de praia, beach tennis, futebol etc.;
  • playground;
  • espaço pet;
  • hub de inovações;
  • área de churrasco.

Quais os principais benefícios deste tipo de espaço?

Existem inúmeros benefícios em utilizar os espaços compartilhados. Um deles é a economia de tempo, energia e recursos.

Com respeito ao tempo, as pessoas não precisam se deslocar para outras regiões para ter acesso, por exemplo, a academias, coworking, wi-fi e área de lazer. Uma vez que existem espaços próximos que disponibilizam esses serviços.

Já a economia de energia e recursos, é gerada no compartilhamento das lavanderias coletivas. Por meio delas, as pessoas não precisam comprar seus próprios equipamentos.

Além disso, se reduz o consumo de energia elétrica. Ainda mais se forem utilizadas fontes energéticas limpas, como a solar. Anna acrescenta itens no pacote de benefícios dos espaços compartilhados. São eles:

Para quem os espaços compartilhados são indicados?

No passado, os espaços residenciais compartilhados eram muito utilizados por estudantes universitários e jovens profissionais. As principais razões para a atração desse público por esses ambientes era a economia, acesso a serviços, proximidade com universidades e empresas, bem como o convívio social.

De uns anos para cá, o perfil do público-alvo dos espaços compartilhados se tornou mais abrangente. Agora, o objetivo desses ambientes é servir a toda a comunidade – tanto para pessoas que residem e como as que não residem nas proximidades desses espaços. Dessa forma, as famílias podem se conectar e participar juntas de vários tipos de atividade.

Por outro lado, as crianças e adolescentes conseguem criar laços de amizade, reacender o espírito de convivência saudável e solidária. No caso dos comerciantes, é possível conhecer melhor os consumidores que vivem no entorno e empreendedores próximos que podem virar parceiros de negócios.

Quais são os desafios de utilizar espaços residenciais compartilhados?

Um dos grandes desafios para a utilização dos espaços residenciais compartilhados é a barreira cultural. De acordo com Anna Borba, no Brasil, o sentimento de posse e propriedade das coisas ainda é muito forte nas pessoas. Esse individualismo leva ao não compartilhamento de objetos e espaços – mesmo que o proprietário não os utilize.

Outro desafio é o hábito de não zelar pelo bem comum. Infelizmente, observamos que as pessoas não cuidam da limpeza e da preservação de áreas livres, como: parques, praças, academias comunitárias, ruas e avenidas. O resultado é o esgotamento e a depredação desses locais.

Esse pensamento de “como é de todos, ninguém cuida”, leva alguns a imaginarem que todos os espaços compartilhados acabam assim – o que não é realidade. No entanto, se houver comunicação e confiança, é possível reverter esse cenário, visando a preservação do bem comum. Como consequência disso, a comunidade fortalece o sentimento de cooperação, pertencimento e desejo de zelar pelo que é de todos.

Como é possível utilizar esses espaços?

Na Smarts Cities da Planet, alguns ambientes funcionam de maneira simples e objetiva, ressalta Anna Borba, basta apenas chegar e utilizar. Como exemplo desse tipo de espaço, podemos apontar: academias ao ar livre, coworking, playground e pet place. Existe também os ambientes que precisam de uma reserva e confirmação para serem utilizados.

Por exemplo, o campo de futebol, as quadras poliesportivas, empréstimos de livros ou objetos das bibliotecas e área de churrasco. Para a realização da reserva, as pessoas precisam usar o Planet App (aplicativo para dispositivos móveis).

Quais são as boas-práticas ao utilizar os espaços residenciais compartilhados?

A melhor de todas as práticas é respeitar o espaço do outro. Isso significa:

  • considerar os horários de funcionamento dos ambientes e períodos reservados;
  • seguir as regras para utilização dos espaços;
  • manter o local limpo;
  • evitar o desperdício de energia, água e outros recursos;
  • tratar a todos com cordialidade;
  • em festas e eventos, manter o volume sonoro em um nível adequado.

Quando se fala de imóveis compartilhados, também é essencial adotar boas práticas de convivência. Afinal, embora cada morador tenha o seu próprio quarto, o banheiro, sala, cozinha e outras áreas são frequentadas por todos os que vivem na moradia. Nesse contexto, é importante realizar uma reunião semanal para se discutir sobre divisão de tarefas, regras e controle de gastos.

Quais são as tendências para os espaços residenciais compartilhados?

Anna Borba revela que as pessoas apreciam tudo que torne a vida mais confortável, econômica e segura. Por isso, uma forte tendência para os espaços residenciais compartilhados é o aprimoramento dos serviços e soluções que entreguem esses fatores. Além disso, há uma busca por espaços que promovem a experiência de viver bem.

De olho no perfil do público moderno, a Planet está concentrada em otimizar, inovar e melhorar ainda mais os ambientes de convivência das suas Smarts Cities. Dessa maneira, segundo Anna Borba, a Planet deixará os clientes menos preocupados, mais interativos e conectados. Sem falar que obtêm uma qualidade de vida muito superior à encontrada nos grandes centros urbanos.

Gostou do nosso artigo? Entendeu o que são e como utilizar os espaços compartilhados? Quer usufruir de todas as vantagens de morar em uma Smart City? Então, entre em contato agora mesmo com os profissionais da Planet!

Você também pode gostar
Investimentos
Quanto custa construir casa? Descubra neste post!

Você sabe quanto custa construir casa? Essa é uma pergunta bastante relevante, pois muitas famílias brasileiras sonham em realizar o objetivo de ter um imóvel próprio. Para isso, é preciso um bom planejamento orçamentário. Tem interesse em saber mais sobre o tema? Neste conteúdo, explicaremos sobre os custos de uma obra, quais são as principais […]

loteamento-de-terrenos
Uncategorized
Saiba como está o mercado de loteamento de terrenos no Brasil

Leia esse artigo para um melhor entendimento sobre o cenário atual e futuro, desafios e perspectivas do mercado nacional de loteamento.

Investimentos
Investir em imóveis ou fundos imobiliários: qual é o ideal para você?

Destacaremos como funciona o investimento em imóveis e em fundos imobiliários, apresentaremos as principais diferenças entre eles e vamos ressaltar para qual perfil cada escolha é indicada. Continue com a gente.

Descubra o viver além de morar.
Mande uma mensagem
Descubra o viver além de morar